f 
Some-where-only-we-know
Sempre há uma solução
Era um sorriso triste, um olhar estremecido, a esperança em sua vida levando um coração partido.
 
    

A vida guarda presentes pra gente. Todos escondidos nos lugares mais distintos. Só que amigo, depois que a gente encontra, a gente precisa abrir.

Borbulhar.

 
    

A gente morre. E quer saber o que a gente leva da vida, quando morre? Porra nenhuma. A gente só deixa. Acha que, no final, vai levar tuas cicatrizes? Sejam emocionais ou físicas. Não, né? Então pra que tanto medo de viver?

Tati Bernardi.

 
    

Minha oração é serena, minhas preces eu carrego no canto dos olhos, no bater dos cílios, e mesmo com este caminho tão torto eu ainda acredito, eu levanto meus olhos e agradeço em silêncio, pois eu não preciso de palavras, não preciso de gritos e louvores, e tenho certeza de que Ele me escuta, que Ele me atende, mesmo nesse mudo em que me encontro.

Secretária da Morte. 

 
    

Tem gente que vira lembrança, tem gente que vira passado, tem gente que se vira para estar do seu lado.

Eu me chamo Antônio.  

 
    

Mercedes virou seu rosto para mim. Beijei-a. Beijar é mais íntimo que trepar. Por isso eu odiava saber que as minhas mulheres andavam beijando outros homens. Preferia que só trepassem com eles. Continuei beijando Mercedes. E já que beijar era tão importante para mim, tesei de novo. Montei nela, sôfrego, aos beijos, como se vivesse minha última hora na terra. Meu pau deslizou dentro dela. Agora eu sabia que ia dar certo. O milagre seria refeito. Ia gozar na buceta daquela cadela. Ia inundá-la com meu sumo e nada que ela fizesse poderia me deter. Era minha. Eu era um exército conquistador, um estuprador, o senhor dela. Eu era a morte.

Mulheres, Charles Bukowski. 

 
     Você é uma incógnita. Você é a resposta das minhas perguntas. É a verdade das minhas mentiras. É a ingenuidade da minha complexidade. É o prazer da minha vida. É o caminho para a minha felicidade. É o tesão do meu corpo. É o calafrio que percorre á espinha. Você é o som da minha gargalhada. Você é o conectivo da minha frase. Você é o humor da minha piada. Você é a minha loucura matinal. Você é a circunstância da minha oração. Você é o que me completa, o que falta, o que eu aguardo. Bruno Grey 

Instagram: dicarvs

 
     Já dizia Cazuza “Tudo que faz bem pra gente, a gente tem medo”. Parando pra pensar, isso é verdade, temos medo de amar e não ser amado, temos medo de sonhar, temos medo de tudo, temos medo de arriscar. Só que se não arriscarmos, nada acontece, ficar pensando em como poderia ter sido diferente não vai mudar nada, aprenda com os erros, supere os medos e seja feliz. Jack Chaves.

 
     Eu adoro o sorriso dela, adoro o cabelo dela, adoro os joelhos dela, adoro a marca de nascença em forma de coração no pescoço dela, adoro o jeito que às vezes ela lambe os lábios antes de falar. Adoro o som da risada dela, adoro a aparência dela quando ela dorme, adoro ouvir essa música toda vez que penso nela. Adoro o jeito que ela faz eu me sentir, como se tudo fosse possível… Ou como sei lá, como se a vida valesse a pena. 500 dias com ela. 

 
     É difícil tentar pôr palavras para fora de si quando nem você mesmo sabe o que dizer, expressar ou falar. Tem dias que não sabemos o que sentimos. É simplesmente uma mistura de coisas, memórias, fatos e acontecimentos. As vezes a única coisa que queremos é não sentir. Muitas vezes, essa é a melhor saída. Os pensamentos nos deixam loucos. Coração de tinta. 

 
    

Sabe o tipo de pessoa que eu sou? Eu sou aquele tipo de pessoa que você não quer ser. Não digo aquele tipo de pessoa errada que sai por ai matando todo mundo, não. Eu sou pior que isso. Eu sou aquele tipo de pessoa certa que faz tudo errado, aquele tipo de pessoa que não faz a minima questão de chamar a atenção dos outros, mas que odeia a solidão. Eu sou aquele tipo de pessoa que olha com nojo para aquele casal se beijando na praça, mas que na verdade fica se mordendo de inveja. Sabe que tipo de pessoa eu sou? É, nem eu.

Anderson Babinski. 

 
    

Quando os adultos dizem: “Os adolescentes se acham invencíveis”, com aquele sorriso malicioso e idiota estampado na cara, eles não sabem quanto estão certos. Não devemos perder a esperança, pois jamais seremos irremediavelmente feridos. Pensamos que somos invencíveis porque realmente somos. Não nascemos, nem morremos. Como toda energia, nós simplesmente mudamos de forma, de tamanho e de manifestação. Os adultos se esquecem disso quando envelhecem. Ficam com medo de perder e de fracassar. Mas essa parte que é maior do que a soma das partes não tem começo e não tem fim, e, portanto, não pode falhar.

Quem é você, Alasca?

 
    

Se você sair, você arriscará a sua vida. Se você bebe água você arrisca sua vida. E hoje em dia só de respirar, você já arrisca sua vida. A única coisa que você pode escolher é pelo que você irá arriscar.

The Walking Dead.